Dr.

Obrigado por acessar nosso site.

Ao longo dos últimos anos, buscamos discutir como poderíamos mudar de forma marcante os passos do desenvolvimento infantil no Brasil. Investimos muito em tempo e conhecimento para chegar até aqui: a sua participação.

Nas páginas abaixo, esperamos agregar, ao seu expertise no tratamento de suspeitas e sintomas de problemas cognitivos, informações que possam fazer diferença para o dia a dia de cada um de seus pequenos pacientes.

Se puder, deixe seu comentário.

Seja bem vindo!

Quantos pacientes em média por mês o Dr(a) atende com distúrbios cognitivos em crianças, tais como hiperatividade, impulsividade, ansiedade, desatenção, dificuldade de aprendizagem e interação social?


Não sei.

5 a 10.

11 a 20.

Mais que 20.


Nos casos de crianças com esses quadros, qual sua conduta?


Medicamentos Psicoativos.

Ansiolíticos mais leves.

Encaminho ao especialista.

Prefiro não opinar.


Problemas cognitivos em crianças, tais como hiperatividade, desatenção, impulsividade, ansiedade, dificuldade de aprendizado e interação social, TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade), depressão, transtorno bipolar do humor ou uso de substâncias psicoativas, são muitas vezes negligenciados e se não devidamente tratados trarão problemas graves na vida adulta.
Hoje, tais características são uns dos motivos mais frequentes nas consultas ao Pediatra. Falta de tempo dos familiares e o excesso de opções e atividades no dia a dia das crianças podem ser apontadas como causas.
Provavelmente, se cada um dos problemas cognitivos forem pesquisados separadamente, os números serão muito maiores que os descritos abaixo, já que casos com menos intensidade são mais comuns nas crianças em desenvolvimento. Estudos nacionais e internacionais que utilizam os critérios do DSM-IV relatam prevalência de 3 a 7% em crianças em idade escolar, com maior frequência para o sexo masculino de TDAH.5 Estudos brasileiros mostram prevalências de TDAH variando entre os 5 a 17% da população. Essas taxas oscilam devido às variações amostrais, quanto à idade e procedência, e pelos diferentes métodos avaliativos adotados. 3

Este processo foi inicialmente definido por Platão e Aristóteles como cognitone, cognição. Resumidamente, o processo cognitivo é a “ferramenta” que o cérebro utiliza para obter conhecimento. Envolve todos os órgãos dos sentidos e processos, como percepção, linguagem, memória, raciocínio, atenção, imaginação, juízo e pensamento.
A cognição é muito mais complexa do que a definição acima. Atualmente várias áreas do conhecimento debatem o tema, sob pontos de vista diferentes, no entanto complementares. A Sociologia, Antropologia, Psicologia, Medicina, Neolinguística, Neuroimagem, entre outras, estudam o processo cognitivo e esta abordagem multidisciplinar é o principal motivo pelo qual a evolução do conhecimento sobre o tema teve um crescimento exponencial nos últimos anos. 1
A Medicina consegue atualmente entender e auxiliar um número cada vez maior de pacientes com distúrbios relacionados à cognição e suas comorbidades.
Importante salientar que, na grande maioria das vezes as patologias ou transtornos que apresentam algum comprometimento da cognição, tanto como causa ou como consequência, não são classificados como distúrbios da cognição pelo Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V). 2
Este fato é plenamente compreensível, levando-se em consideração a abrangência da definição de cognição e processo cognitivo, e como estes podem afetar ou serem afetados por diversas patologias. 1

TDAH
TDAH
TDAH

A fosfatidilserina (PS), está presente em todo o organismo e exerce funções vitais para a manutenção da vida. É o principal fosfolípide ácido presente no cérebro. Fosfatidilserina e outros fosfolípides formam os componentes estruturais básicos da membrana celular. Estes fosfolipídios da membrana exercem um papel importante na comunicação célula-a-célula e transferência de informações bioquímicas na célula, que desencadeiam respostas celulares vitais.
O adequado funcionamento desses processos é de máxima importância, especialmente no sistema nervoso central. A fosfatidilserina aumenta o metabolismo celular e a comunicação intracelular, influenciando a permeabilidade das membranas celulares. 4-5
A suplementação oral de fosfatidilserina tem demonstrado que afeta as membranas neuronais, o metabolismo celular, e os sistemas de neurotransmissores específicos, incluindo acetilcolina, norepinefrina, serotonina, e dopamina.12-15 Numerosos estudos clínicos têm demostrado que a fosfatidilserina exerce benefício significativo na cognição, especialmente naquelas funções que tendem a diminuir com a idade, incluindo a memória, aprendizagem, vocabulário, e concentração. 6

Os lobos frontais têm alta concentração de ácidos graxos de cadeia longa (LCFA), em particular do DHA, que também é essencial para o desenvolvimento destas regiões. De fato, o DHA contribui com 15% do total de ácidos graxos no córtex frontal humano. O DHA é relevante para sistemas de neurotransmissão e para a manutenção da viabilidade sináptica. Estudos experimentais e clínicos mostram que, adicionalmente, o DHA é importante para a captação e o metabolismo da glicose e alguns de seus metabólitos bioativos protegem tecidos do estresse oxidativo.
Neste sentido, e considerando o papel dos lobos frontais, não é surpreendente que baixos níveis de concentração cerebral de DHA levem a alterações de memória, aprendizado e comportamento. Altos níveis de LCPUFAs também estão presentes nos núcleos da base, córtex pré e pós-central, hipocampo e tálamo, reforçando seu papel na memória e sugerindo importância na integração entre informações sensoriais e motoras.57
Dessa forma tanto a Fosfatidilserina como o ômega 3, tendo o DHA melhor performance, são gorduras fundamentais para o desenvolvimento adequado do organismo e em particular do Sistema Nervoso Central (SNC), pois fazem parte da parede celular de várias estruturas do SNC e de outros tecidos. Os trabalhos a seguir relatam os benefícios e a segurança do uso de Fosfatidilserina e Ômega-3 combinados.

Referência Tipo de Estudo Fonte de Fosfatidilserina e placebo Dose Duração Pacientes Resultados relacionados à eficácia Parâmetros de segurança avaliados Resultados relacionados à segurança
I. Manor et al. Randomizado, duplo-cego, controlado • Fosfatidilserina com ômega 3
• Plabebo
Fosfatidilserina 300 mg e ômega 3 120mg 15 semanas oculto e mais 15 semanas aberto 200 crianças com idades entre 6 e 13 anos diagnosticadas com TDAH Os resultados deste estudo de 30 semanas sugerem que o PS-Omega3 pode reduzir os sintomas de TDAH em crianças. A análise preliminar sugere que este tratamento pode ser especialmente eficaz em um subgrupo de crianças com TDAH hiperativas, impulsivas, e comportamento emocional desregulado. Efeitos adversos. O tratamento foi bem tolerado.
Vaisman et al. Randomizado, duplo-cego, controlado • Fosfatidilserina com DHA
• òleo de Peixe e Placebo
Fosfatidilserina 300 mg e DHA (22:6n 3) 95 mg 3 meses 102 crianças com idades entre 8 e 13 anos pré-diagnosticadas com TDAH Em conclusão, nossos achados indicam que o fornecimento de DHA esterificados com fosfatidilserina por 3 meses melhora o desempenho de atenção visual sustentada em crianças com desatenção. Além disso, as alterações lipídicas do sangue foram correlacionadas com as mudanças nos escores CPT, principalmente no grupo fosfatidilserina. Efeitos adversos. Ambos (Fosfatidilserina e óleo de peixe) os tratamentos foram bem tolerados.
Vakhapova et al. Randomizado, duplo-cego, placebo-controlado Suplementos ricos em DHA ou óleo de cártamo PS-DHA (300 mg PS / dia) ou placebo e continuidade com PS-DHA (100 mg/dia) 15 semanas e 30 semanas 157 idosos sem demência com queixas de memória. Os resultados deste estudo indicam que o consumo de PS-DHA na dose de 300 mg PS / dia por 15 semanas, ou 100 mg PS / dia por 30 semanas. A segurança foi avaliada por avaliações clínicas laboratoriais incluindo parâmetros bioquímicos e hematológicos em linha de base e ponto final da fase de dupla ocultação e registro de eventos adversos, exame físico e mensuração de sinais vitais e peso na linha de base, semana 7 e endpoint (semana 15) da fase de dupla ocultação e no final da extensão aberta (semana 30). PS-DHA na dose de 300 mg PS / dia por 15 semanas, ou 100 mg PS / dia por 30 semanas é seguro, bem tolerado e não produz efeitos negativos no parâmetros testados.
C. M. Milte et al. Randomizado controlado • óleo de peixe rico em EPA
• óleo de peixe rico em DHA
• óleo de cártamo (controle)
Por cápsula: • óleo de peixe rico em EPA 277 mg e DHA 27 mg
• óleo de peixe rico em DHA fornecendo EPA 66 mg e DHA 258 mg
• óleo de cártamo (controle) 366 mg 4 vezes ao dia
4 meses 90 crianças de 7 a 12 anos de idade com sintomas de TDAH maiores que 90% nas Escalas de Classificação Os perfis de ácidos graxos dos eritrócitos indicaram que um aumento na proporção de DHA foi associado à melhora na leitura de palavras e menores classificações de comportamento de oposição . Estes efeitos foram mais evidentes em um subgrupo de crianças com dificuldades de aprendizagem: melhora da leitura de palavras, ortografia e melhor capacidade de dividir a atenção com menor de comportamento de oposição, hiperatividade, inquietação e sintomas gerais de TDAH. Efeitos adversos. Os tratamentos foram bem tolerados .
Hirayama et al., 2013 Randomizado, duplo-cego, placebo-controlado PS derivada da soja Placebo: comprimidos mastigáveis flavorizadas com cacau 200mg/dia 2 meses 36 crianças com idades entre 4 e 14 anos diagnosticadas com TDAH A suplementação com PS resultou em melhorias significativas no desvio de déficit de atenção e hiperatividade (P <0,01), déficit de atenção (P <0,01) e hiperatividade (P <0,01); memória auditiva de curto prazo (P <0,05); e falta de atenção (diferenciação e diferenciação inversa, P <0,05), além de desatenção e impulsividade (P <0,05). A suplementação foi bem tolerada e não apresentou efeitos adversos. Em conclusão, a PS demonstra melhorar significativamente os sintomas de TDAH e memória de curto prazo. É uma estratégia nutricional segura e natural para melhorar o desempenho mental em crianças que sofrem de TDAH. Efeitos adversos. Os comprimidos mastigáveis de PS foram bem tolerados e nenhum efeito adverso foi reportado.
Hirayama et al., 2006 Estudo aberto PS derivada da soja (Lipamin-PS 90) Placebo: não controlado 200mg/dia 2 meses 15 crianças com idades entre 6 e 12 anos diagnosticadas (n=9) ou com suspeita (n=6) de TDAH. Após a intervenção com PS, os sintomas de TDAH melhoraram significativamente (p <0,01). Houve melhora significativa na desatenção com hiperatividade e impulsividade(p <0,01 e p <0,05, respectivamente). A percepção visual também foi significativamente melhorada (p <0,001). A suplementação com PS demonstrou melhorar os sintomas relacionados ao TDAH, como demonstram os resultados de critérios para diagnóstico, o teste de percepção visual, entre outros testes realizados nos pacientes. Questionário geral (questões individuais não especificiadas) Nada reportado.
Benton et al., 2001 Randomizado, duplo-cego, placebo-controlado PS derivada da soja Placebo: cápsulas contendo gordura dura 300mg/dia 30 dias 48 homens saudáveis com média de idade de 20.8 ± 2.6 anos O presente estudo observou a influência da suplementação PS em relação aos níveis de estresse e em mudanças no ritmo cardíaco quando uma tarefa mentalmente estressante era realizada. O estudo relatou uma melhora no humor após a suplementação de PS e, em resumo uma melhoria geral no estado de espírito quando uma tarefa mentalmente exigente era realizada. A suplementação de PS foi realizada durante 30 dias. Pressão sanguínea. Frequência cardíaca em resposta ao estresse. Efeitos adversos. Nenhum efeito na pressão sanguínea. A frequência cardíaca não apresentou diferença ente os grupos em nenhum momento. Um paciente no grupo placebo reportou aumento de sede e outro paciente do grupo placebo reportou dor no braço esquerdo.
Hellhammer et al., 2004 Randomizado, duplo-cego, placebo-controlado Cápsulas de PS derivada da lecitina de soja e ácido fosfatídico (Lipogen) Placebo: cápsulas de amido de milho 0, 400, 600 ou 800mg PS/dia combinado com 0, 500, 750 ou 1000mg de ácido fosfatídico/dia, respectivamente 21 dias 79 voluntários homens e mulheres com idades entre 20 e 45 anos Os resultados do estudo demonstraram efeito positivo no estresse mental dos pacientes tratados com PS. O efeito da suplementação de 400 mg diários com PS em resposta aos sintomas mentais é uma medida promissora no que diz respeito à aplicação clínica em desordens relacionadas ao estresse. Efeitos colaterais não foram observados neste estudo. Efeitos colaterais. Frequência cardíaca. Nnehum efeito na frequência cardíaca. Nenhum efeito colateral foi reportado. Um homem no grupo de doses elevadas deixou o estudo sem motivos especificados.
Schreiber et al.,2000 Estudo aberto PS derivada da soja 300mg 12 semanas 13 idosos saudáveis voluntários, com idades entre 65 e 78 anos, dentro dos critérios de inclusão e exclusão para queixas de memória associadas com a idade. Os resultados da suplementação com PS mostraram que um efeito significativo foi atribuível. Houve melhoria a partir da linha de base em comparação com a 6ª semana de tratamento e o mesmo efeito foi mantido na 12ª semana. Os resultados foram avaliados com testes neurofisiológicos (memória, aprendizado e reconhecimento). Os resultados são promissores e comprovam um efeito positivo da suplementação com PS para o tratamento de declínio cognitivo relacionado com a idade. Efeitos colaterais. Dois voluntários não completaram o estudo por motivo de efeitos colaterais gastrointestinais (principalemente flatulência), e a maioria dos pacientes reportaram efeitos gastrointestinais em vários estágios.
Kato-Kataoka et al., 2010 Randomizado, duplo-cego, placebo-controlado, design paralelo PS derivada de soja (PS-20L) Placebo: outros fosfolipídeos, não incluindo a PS 0 ou 300mg PS/dia 6 meses 78 pacientes idodos (idade média de 59 anos) com declínio cognitivo leve Os indivíduos que apresentavam baixa pontuação no início do estudo e foram tratados com PS tiveram seus índices significativamente aumentados em relação ao início do estudo, enquanto que os indivíduos do grupo placebo permaneceram inalterados. Em conclusão, a PS derivada da soja utilizada neste estudo é considerada como um ingrediente alimentar de segurança e a suplementação de 6 meses pode melhorar as funções da memória dos idosos. Sinais vitais (frequência cardíaca, pressão sanguínea sistólica e pressão sanguínea distólica). Parâmetros bioquímicos ( alanina-aminotransferase, aspartato-aminotransferase, fosfatase alcalina, lactose desidrogenase, gama-glutamiltransferase, creatinina fosfoquinase, uréia, ácido úrico, HDL, LDL, triglicerídeos e glicose sanguínea) e hematológicos (contagem de glóbulos vermelhos, contagem de glóbulos brancos, contagem de plaquetas, hemoglobinas, hematócritos). Exames de urina (glicose, proteína, sangue oculto e pH). Eventos adversos. Nenhuma mudança clínica significativa nos parâmetros dos sinais vitais, bioquímicos, hematológicos ou nos exames de urina foram observados. Nenhum evento adverso foi atribuído ao estudo.
Richter et al., 2013 Aberto, centro único PS derivada de soja (Sharp-PS) 300mg 12 semanas 30 pacientes idosos, com idade média entre 74,6 anos, com queixas subjetivas de memória Os resultados dos testes computadorizados demonstraram que a suplementação com PS derivada da soja aumentou significativamente os seguintes parâmetros cognitivos: o reconhecimento de memória (P = 0,004), recuperação da memória (P = 0,006), funções executivas (P = 0,004), e flexibilidade mental (P = 0,01). O exame realizado indicou que, após a administração de PS derivada da soja, a aprendizagem total e a recordação imediata melhorou significativamente (P = 0,013 e P = 0,007, respectivamente). Resultados inesperados provenientes dos testes de segurança sugeriram que a PS da soja reduz significativamente a pressão arterial, tanto a sistólica (P = 0,043) como a diastólica (P = 0,003). O consumo foi bem tolerado e não houve eventos adversos graves relatados durante o estudo. Em conclusão, a suplementação de PS derivada da soja é bem tolerada, segura para consumo humano e apresenta efeitos positivos sobre a função cognitiva em idosos saudáveis. Pressão sanguínea sistólica, pressão sanguínea distólica, pulso em repouso, peso. Parâmetros bioquímicos (glicose, sódio, cálcio, fósforo, cloro, potássio, uréia, creatinina, alanina-aminotransferase, aspartato-aminotransferase, fosfatase alcalina, bilerrubina, protínas totais) e hematológicos (contagem de glóbulos brancos, contagem de glóbulos vermelhos, linfócitos, monócitos, neutrófilos, plaquetas, basófilos, eosinófilos, células grandes não coradas, hemoglobinas, volume médio de células, volume médio de hemoglobinas e concentração média de hemoglobias). Eventos adversos. Dois pacientes reportaram disconforto gastrointestinal que foi possivelmente associado com o tratamento do estudo. Dois outros pacientes reportaram pneumonia e suspeita de arritmia cardíaca, que foram considerados efeitos adversos severos e não relacionados com o estudo. Os 4 pacientes deixaram o estudo. Adicionalmente, 2 pacientes reportaram eventos adversos que provavelmente não estavam relacionados com o tratamento do estudo. A pressão sanguínea sistólica e distólica foram significativamente diminuídas no final do estudo em comparação com os valores de base, não houveram diferenças significativas no pulso em repouso e no peso corporal em comparação com os valores de base. Apesar de algumas mudanças significativas em alguns parâmetros sanguíneos em comparação com os valores de base, valores geralmente permaneceram dentro dos intervalos normais de referência e não foram considerados uma preocupação pelos autores do estudo.

A fosfatidilserina (PS) age aumentando os níveis de acetilcolina e, dessa maneira, aumenta a capacidade cognitiva, melhora a memória, evita o declínio mental e aumenta a capacidade de concentração3. O consumo de fosfatidilserina (PS) diminui significativamente os déficits relacionados a perda cognitiva, além de ser bem tolerado e não apresentar efeitos colaterais4. O uso de fosfatidilserina (PS) em crianças apresenta melhora nos sintomas de déficit de atenção e hiperatividade, além disso, é uma estratégia segura e eficaz para melhorar a performance mental das crianças.5.
O DHA é importante na construção estrutural e funcional do cérebro. Estudos clínicos relacionam os níveis reduzidos de DHA com distúrbios cognitivos e de aprendizagem. Também observamos que o uso de DHA concomitante aos psicoestimulantes tem resultados superiores que o uso de psicoestimulantes sozinhos, além de diminuírem seus efeitos colaterais.6-9.

Referências: (1) - BHATNAGAR, S., TANEJA, S. Zinc and cognitive development. British Journal of Nutrition, 2001. (2) - SUJUAN, G. et al. Selenium Level and Cognitive Function in Rural Elderly Chinese. Am J Epidemiol, 2007. (3) - Food and Drug Admnistration. Phosphatidylserine and Cognitive Dysfunction and Dementia. (4) - CROOK, T. et al. Effects of phosphatidylserine in age-associated memory impairment. Neurology, 1991. (5) - HIRAYAMA, S. et al. Effect of phosphatidylserine administration symptoms of attention-deficit/hyperactivity disorder in children. Infant Nutrition, 2006. (6) - International Journal of Nutrology. XVIII Congresso Brasileiro de Nutrologia. Associação Brasileira de Nutrologia. Set/2014. (7) - Rob Winwood-DSM. DHA para a saúde da infância à terceira idade. Food Ingredients Brasil - Nº 26 - 2013. (8) - Acessao em 10/2018: http://www.lifesdha.ca/Portals/0/docs/DSM003867-32_DOLAB_SummaryDocument_HR.pdf. (9) - C. M. Milte et al. Eicosapentaenoic and docosahexaenoic acids, cognition, and behavior in children with attention-deficit/hyperactivity disorder: A randomized controlled trial. Nutrition 28 (2012) 670–677

Cognição e TDAH


Em um estudo com duração de 2 meses com a suplementação de 200 mg fosfatidilserina foi observado melhora dos sintomas de déficit global e sub-escala de atenção e hiperatividade em crianças com TDAH e melhora na memória auditiva de curto prazo e impulsividade.

DEATEN


DEATEN é um produto com patente requerida cujas substâncias são muito importantes para a cognição. DEATEN é eficaz e principalmente muito seguro para a utilização em crianças, quando comparado aos tratamentos medicamentosos disponíveis atualmente, sendo inclusive utilizado, nos EUA e Europa, no tratamento do TDAH.